sexta-feira, 26 de junho de 2009

Panorama

Eu não acredito que a morte seja o fim da vida. Primeiramente, acredito no destino. Isso já me faz quebrar grandes ideais na minha cabecinha atolada. Estamos aqui porque algo mandou (não necessariamente Deus, digo, é como uma coisa traçada), e tudo é consequencia de nossas vidas passadas. Estou nessa situação hoje porque alguma coisa quis assim.

É estranho ver alguem morrer. Até agora, todas as que vi morrer, as famosas, ou uns familiares nem tão proximos , não senti tanta tristeza, a ponto de chorar ou ficar mal. Algumas foram desnecessarias isso, mas outras, eu deveria ter um sentimento legal, poxa, familiares. Eu consigo encarar as mortes por doenças tão bem.

Fico pensando em quando for eu. Quem vai sentir a minha falta, e como será tudo. Não será o fim, estarei com certeza indo pra algum lugar, ou esperando pra voltar. Mas sabe, só de pensar que você nasce, estuda pra caramba pra viver bem, lê livros, ouve músicas que você gosta, vive indo ao médico, cultuando uma saúde, mas ai um dia tudo acaba. Isso só me faz refletir que talvez passar um dia inteiro estudando física não é tão importante assim...

2 comentários:

Traveler disse...

pois é, morte é um negócio estranho...
como vc disse, a gente estuda, trabalha, cria um monte de coisa (ou não) e depois tudo acaba...
pensando desse jeito, tudo o que fazemos parece meio efêmero, e, no final das contas é acho que é mesmo

legal seu blog :)

Israel Cintra disse...

Morte é surreal, cara.
O ponto positivo é que mesmo que lá não seja um lugar tão bom, você não perdera suas espectativa, pois ninguém que morre volta pra te contar como é o outro lado.